quarta-feira, 27 de agosto de 2014

DÚVIDA SOBRE SEXO! PERGUNTE AO DR. JAIRO DOUER

Quem vê muita pornografia tende a ser um especialista em sexo ou isso atrapalha na hora do "vamos ver"? O Dr. Jairo Bouer, especialista em sexualidade, explica aqui quando se trata apenas de apimentar a relação e em que situações isso pode ser um problema na relação.
Jairo Bouer responde dúvidas dos internautas do @saúde sobre sexualidade feminina. Ele explica por que algumas mulheres têm dificuldade em sentir prazer durante a penetração. Isso é normal? Para começar, ele fala sobre a relação entre inibição e estimulo que podem fazer com que a mulher não consiga chegar ao ápice da relação sexual. E, sim, reforça que preliminares têm tudo a ver com essa questão.
Confira as dicas do especialista em sexualidade. E se você tiver alguma dúvida, o e-mail é drjairobouer@uol.com.br.

Notícias relacionadas

Dilma tem 34%, Marina, 29%, e Aécio, 19%, diz pesquisa Ibope

 
  •  
    O Ibope divulgou, nesta terça-feira (26), a primeira pesquisa do instituto sobre a corrida presidencial já com Marina Silva como candidata do PSB, depois da morte de Eduardo Campos, do PSB.

terça-feira, 26 de agosto de 2014

ANIVERSÁRIO DO PREFEITO LUIZÃO

Hoje, 26/08, Luizão do Trento, prefeito em exercício de Rolim de Moura, completou 54 anos e foi recepcionado pelos funcionários da prefeitura com um bolo e salgadinhos. O comes e bebes (refrigerantes) aconteceu por voltas das 9:00 horas no auditório da Secretaria Municipal de Agricultura. Estava presente vários vereadores, entre eles o presidente da Câmara Municipal Jairo Benetti. Meus parabéns prefeito, que Deus lhe abençoe e lhe dê muita saúde para que continue  trabalhando da forma como está no momento.Sei que a interinidade de um certo modo limita seu poder de decisão, mas do  jeito que você está fazendo,  está  de bom tamanho. Sei que você vai fazer mais ainda e é isso que todos esperam.
















Paralegais: Solução que tangencia o problema Por Andrey Cavalcante, presidente da OAB-Rondônia.

É indisfarçável o caráter meramente eleitoreiro e oportunista do projeto que institui a figura do advogado paralegal. Que me perdoe o deputado Sergio Zveiter (PSD- RJ) autor da proposta aprovada em caráter terminativo na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, mas a iniciativa tangencia as causas para tentar combater os efeitos do problema. E nem mesmo isso consegue, posto que contraria os advogados credenciados ao pleno exercício profissional e até mesmo os bacharéis que não possuem o registro da OAB, conforme declarações de seus representantes.

A razão de existir no país tamanha quantidade de bacharéis que não conseguem aprovação nos exames da Ordem está na baixa qualidade do ensino nas faculdades de Direito que proliferam sem qualquer controle. Os deputados deveriam se aliar à OAB na luta pela melhoria do ensino jurídico, ao invés de possibilitarem a criação de uma legião de subadvogados, de cidadãos de segunda categoria. A qualificação profissional exigida nos exames da OAB assegura que os novos profissionais que ingressam no mercado possuam formação adequada à plena satisfação do acesso à Justiça do povo brasileiro.
E a grande credibilidade que a Ordem dos Advogados desfruta junto à população decorre justamente desse rigor seletivo, capaz de credenciar cada um de seus integrantes inclusive à defesa da ordem constitucional da nação. Como esperar que temas relevantes para a vida nacional, como os muitos em relação aos quais a OAB tem se posicionado ao longo da História, possam acolher manifestação de uma entidade que reúne profissionais de primeira e segunda categoria?
Exemplo elucidativo da importância da OAB na vida brasileira é a decisão de nosso Conselho Federal de requerer ao Supremo o ingresso como amicus curiae no HC 112.848, que discute o âmbito da Justiça Militar na excepcionalidade do policiamento em comunidades e favelas do Rio de Janeiro. Nosso Conselho Federal, atento, identifica o risco de submissão de civis à jurisdição militar em uma atividade originalmente da área de segurança pública. São questões como esta, de inegável significado para nossa normalidade institucional, que despertam a atenção da OAB e nos deixam orgulhosos de pertencer a uma instituição de tal magnitude.
Nossa credibilidade corre, no entanto, o risco de ser literalmente emasculada caso seja aprovado o projeto do deputado Sérgio Zveider, que pode inclusive seguir para o Senado sem passar pelo plenário da Câmara, onde seria certamente derrotado.
Não se pode esquecer de outro claro sintoma de proselitismo político do projeto. No mesmo dia de sua aprovação pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, outra iniciativa parlamentar de igual teor foi retirada de pauta no Senado por seu autor, o senador e candidato ao governo do estado do Rio de Janeiro Marcelo Crivella. Ele defendia inclusive, no Projeto-de-Lei do Senado (PLS 232/14) o registro dos paralegais em quadro próprio a ser criado na OAB. É uma proposta bizarra, bem definida pelo vice-presidente do Conselho Federal da Ordem, Cláudio Lamachia, como “um absurdo legislativo, um passo atrás para a qualificação da carreira jurídica no Brasil”.
Andrey Cavalcante, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Seccional Rondônia.

O NHS (National Health Service) e a utopia (ou os milagres) do SUS

 

O SUS é utopico e opera alguns milagres com os recursos de que dispõe. Sejamos mais claros.
Qualquer promessa de melhora da saúde pública brasileira deve vir acompanhada de discussões sobre o financiamento. Não precisa ser um especialista para saber. Hoje o National Health Service, da Inglaterra, que nos serviu de inspiração, consome anualmente 109 bilhões de libras, ou quase R$ 403 bi. Isso para atender menos de um terço da população que temos no Brasil. Se quisermos adequar o orçamento à nossa densidade demográfica (sem considerar as sobrecargas de um país em desenvolvimento, como efeitos da violência e do ainda precário saneamento, sem contar a incomparável extensão territorial), teríamos que garantir, por baixo, R$ 1,3 trilhões, para garantir a mesma média de investimento por pessoa.

Ora, isto é simplesmente impossível. O orçamento total da União hoje, sem considerar, portanto, os recursos de estados e municípios, é de R$ 2,48 tri. É como se metade de todo o dinheiro disponível fosse bancar a saúde. Mas também queremos educação, infraestrutura, bons salários para profissionais, etc.

Está mais do que na hora de colocar a discussão às claras para a população. Mas há interesses em não abrir o jogo: governos não querem passar por incompetentes, pedindo mais dinheiro; a grande mídia gosta de esconder o drama do subfinanciamento para jogar políticamente com a falta de informação; oposições se aproveitam para prometer o impossível; por fim, entidades representativas dos médicos usam de demagogia para garantir benesses corporativas. Não precisamos nem falar do lobby de planos de saúde, responsáveis pela campanha contra a CPMF.
Está todo mundo errado. Grande parte da população realmente acredita que é possível fazer saúde (universal e gratuita) de país desenvolvido com PIB de país em desenvolvimento. Ou nos contentamos com menos. Ou temos que discutir novas fontes.

Para piorar, um maldito lugar comum que se reproduz como bactéria: bastaria ter melhor gestão e eliminar a corrupção. Ora, nem a Inglaterra conseguiu fazer isso. Os recursos perdidos naquele país, com fraudes e corrupção, chegam a 7 bilhões de libras, ou quase 26 bilhões de reais, anualmente. Nada garante que nossos desvios e desvãos superem, proporcionalmente, esta marca.

Portanto, a discussão prévia e necessária é: mais dinheiro. O resto é complemento.
Por outro lado, diante de um quadro como este, se o SUS ainda consegue ser visto como bom e ótimo para 30% da população, e ao menos razoável para outros 44%, nada se assemelhará mais a um autêntico milagre de gestão. Observe que o orçamento da saúde privada é proporcionalmente muito maior que a da saúde pública, e ainda assim consegue uma aprovação modesta da opinião pública.
Fontes:
Sobre orçamento e funcionamento do NHS:http://www.nhs.uk/NHSEngland/thenhs/about/Pages/overview.aspx

Opção Sexual?


Cármen Lúcia e o gozo da autoridade suprema

Jornal GGN - “Eu era muito mais feliz como advogada”, disse a vice-presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, ao contar sobre a dificuldade da função que cumpre, durante um workshop realizado em São Paulo, nesta segunda-feira (25).
“Não é cômodo o papel de juiz. Nem estou dizendo que sou infeliz, até porque o dia que chegar o meu limite, eu vou embora. Mas continuo acreditando que eu estou fazendo uma coisa que, de alguma forma é a minha vocação, e que eu quero ajudar com este cargo. Mas a liberdade que um advogado tem, escreve como quer. Eu tenho que pensar cada vírgula. Se eu disser: eu não o liberto, ele está condenado. Se eu disser: eu não, o liberto, ele está solto. Uma vírgula muda a vida de uma pessoa. Amanhã, na hora que eu julgar 18 Habeas Corpus, alguém vai sair, alguém vai ficar na prisão. Isto não é uma função fácil. Isto é um ônus enorme”, contou.
Nascida em Montes Claros, mas criada na pequena cidade mineira Espinosa, Cármen Lúcia formou-se em Direito pela PUC-MG em 1977, ano em que, naquele estado, estudantes se reuniram para enfrentar a dura repressão militar, tentando reconstruir a UNE (União Nacional dos Estudantes), dissolvida quase dez anos antes pelo então regime. Escolheu, cinco anos depois, como ela mesmo disse, a especialidade mais complicada para o período: mestrado em Direito Constitucional.


E à essa luta, que se diz contínua, a ministra compara a intolerância e a falta de participação democrática da sociedade atual.

Ritalina, a droga legal que ameaça o futuro

Por Roberto Amado, no DCM
É uma situação comum. A criança dá trabalho, questiona muito, viaja nas suas fantasias, se desliga da realidade. Os pais se incomodam e levam ao médico, um psiquiatra talvez.  Ele não hesita: o diagnóstico é déficit de atenção (ou Transtorno de Deficit de Atenção e Hiperatividade – TDAH) e indica ritalina para a criança.
O medicamento é uma bomba. Da família das anfetaminas, a ritalina, ou metilfenidato, tem o mesmo mecanismo de qualquer estimulante, inclusive a cocaína, aumentando a concentração de dopamina nas sinapses. A criança “sossega”: pára de viajar, de questionar e tem o comportamento zombie like, como a própria medicina define. Ou seja, vira zumbi — um robozinho sem emoções. É um alívio para os pais, claro, e também para os médicos. Por esse motivo a droga tem sido indicada indiscriminadamente nos consultórios da vida. A ponto de o Brasil ser o segundo país que mais consome ritalina no mundo, só perdendo para os EUA.
A situação é tão grave que inspirou a pediatra Maria Aparecida Affonso Moysés, professora titular do Departamento de Pediatria da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, a fazer uma declaração bombástica: “A gente corre o risco de fazer um genocídio do futuro”, disse ela em entrevista ao  Portal Unicamp. “Quem está sendo medicado são as crianças questionadoras, que não se submetem facilmente às regras, e aquelas que sonham, têm fantasias, utopias e que ‘viajam’. Com isso, o que está se abortando? São os questionamentos e as utopias. Só vivemos hoje num mundo diferente de mil  anos atrás porque muita gente questionou, sonhou e lutou por um mundo diferente e pelas utopias. Estamos dificultando, senão impedindo, a construção de futuros diferentes e mundos diferentes. E isso é terrível”, diz ela.
O fato, no entanto, é que o uso da ritalina reflete muito mais um problema cultural e social do que médico. A vida contemporânea, que envolve pais e mães num turbilhão de exigências profissionais, sociais e financeiras, não deixa espaço para a livre manifestação das crianças. Elas viram um problema até que cresçam. É preciso colocá-las na escola logo no primeiro ano de vida, preencher seus horários com “atividades”, diminuir ao máximo o tempo ocioso, e compensar de alguma forma a lacuna provocada pela ausência de espaços sociais e públicos. Já não há mais a rua para a criança conviver e exercer sua “criancice.
E se nada disso funcionar, a solução é enfiar ritalina goela abaixo. “Isso não quer dizer que a família seja culpada. É preciso orientá-la a lidar com essa criança. Fala-se muito que, se a criança não for tratada, vai se tornar uma dependente química ou delinquente. Nenhum dado permite dizer isso. Então não tem comprovação de que funciona. Ao contrário: não funciona. E o que está acontecendo é que o diagnóstico de TDAH está sendo feito em uma porcentagem muito grande de crianças, de forma indiscriminada”, diz a médica.
Mas os problemas não param por aí. A ritalina foi retirada do mercado recentemente, num movimento de especulação comum, normalmente atribuído ao interesse por aumentar o preço da medicação. E como é uma droga química que provoca dependência, as consequências foram dramáticas. “As famílias ficaram muito preocupadas e entraram em pânico, com medo de que os filhos ficassem sem esse fornecimento”, diz a médica. “Se a criança já desenvolveu dependência química, ela pode enfrentar a crise de abstinência. Também pode apresentar surtos de insônia, sonolência, piora na atenção e na cognição, surtos psicóticos, alucinações e correm o risco de cometer até o suicídio. São dados registrados no Food and Drug Administration (FDA)”.
Enquanto isso, a ritalina também entra no mercado dos jovens e das baladas. A medicação inibe o apetite e, portanto, promove emagrecimento. Além disso, oferece o efeito “estou podendo” — ou seja, dá a sensação de raciocínio rápido, capacidade de fazer várias atividades ao mesmo tempo, muito animação e estímulo sexual — ou, pelo menos, a impressão disso. “Não há ressaca ou qualquer efeito no dia seguinte e nem é preciso beber para ficar loucaça”, diz uma usuária da droga nas suas incursões noturnas às baladas de São Paulo. “Eu tomo logo umas duas e saio causando, beijando todo mundo, dançando o tempo todo, curtindo mesmo”, diz ela.

Incompatibilidade genética

Era manhã, cidadezinha do Seridó do Rio Grande do Norte, conhecida pelos bordados de excelência.
Em frente a igreja passa um garotinho conduzindo umas cabras.
Com esforço a garotinha fazia caminhar o rebanho.
Um padre observava a cena. 
Começou a imaginar se aquilo não era um caso de exploração de trabalho infantil e foi conversar com o menino.
- Olá, meu jovem. Como é o seu nome?
- José, seu padre.
- O que é que você está fazendo com essas cabras, Jolsé?
- É pro bode cobrir elas, seu padre. Tou levando elas lá pro sítio de seu Quinca.
- Me diga uma coisa, José, seu pai ou seu irmão mais velho não podiam fazer isso?
- Já fizeram, mas num dá cria. Tem que ser o bode mesmo! 

Lula lá na campanha de Marina

 

Marina Silva pode usar a imagem e o discurso de Lula em dois momentos da campanha dela. Primeiro para responder as provocações sobre a falta de experiência administrativa da candidata. Depois para explicar de onde veio o dinheiro que pagava as viagens do jatinho que caiu e matou Eduardo Campos. Entenda por que.

Aqui entre nós com Reinaldo Azevedo

 

O jato do PSB que está sob investigação da Polícia Federal e a candidatura da Marina Silva são alguns dos assuntos do Aqui Entre Nós com Joice Hasselmann e Reinaldo Azevedo.

A política do Fato Novo e a fraqueza de Confúcio Moura


DEBATE - ELEIÇÕE 2014


Expedito Junior. ‘”Nunca recebi a Policia Federal as seis horas da manhã na Minha casa”

 
Escrito por 
Debate dois

O Candidato a governador Expedito Junior, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), em suas considerações finais no debate da TV Alamanda, realizado na tarde desta segunda feira,  falou que nunca recebeu a visita da Policia Federal  em sua casa as 6.00 horas da manha,  municiada de mandado judicial.
O Candidato fez esta observação em alusão a invasão da Residência oficial do governo de Rondonia, para efetuar a prisão do assessor especial de Confúcio Moura, o senhor  Rômulo da Silva, que fazia papel de “correria” para a quadrilha chefiada pelo ex deputado Valter Araujo, na famosa operação “termópilas”.
Antes, o candidato tucano disse que confucio prometeu entregar para a população da capital, a famosa rua da beira, pronta em cinco meses, e até hoje não cumpriu a promessa, falando que nesse governo a “retórica “ é a pratica costumeira , mais a ação é praticamente inexistente, e que Rondônia vive um sério problema de gerenciamento, “falta gestão em Rondônia” finalizou o candidato tucano

Vejam o que saiu na imprensa.


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A candidata Jaqueline Cassol do Partido Republicano, no debate realizado no inicio da tarde desta  segunda feira na Rede Alamanda, (SBT), mostrou-se mais preparada que ambos os candidatos presentes, principalmente o Governador Confúcio Moura, que iniciou mostrando um grau elevado de nervosismo, ao ponto de em determinado momento chamar a candidata a Governadora Jaqueline Cassol de deputada.
Em varias ocasiões em suas intervenções, a candidata Jaqueline Cassol falou que o governo do estado não tem gestão, citando praticamente todas as áreas da administração estadual, demonstrou profundo conhecimento sobre as estradas Rurais e coletoras do estado, bem como passeou  livremente pela educação, saúde, e infra-estrutura.
Já o governador Confúcio tergiversou sobre todos os temas de sua administração, sendo inclusive questionado pelo candidato Pimenta de Rondônia, dizendo que parece que Confúcio não conhece o estado, pois só voa de avião, se andasse de carro conheceria melhor o estado.
Expedito Junior diz que policia federal nunca invadiu sua casa
O Candidato Expedito Junior, disse que sua casa nunca foi invadida seis horas da manha pela policia federal, munida de mandado judicial, numa alusão a invasão da residência oficial do governo de Rondônia, quando a Policia Federal foi atrás do assessor especial de Confúcio Moura. Rômulo da Silva.
Padre Ton disse que eleito governador vai pautar suas ações para o fortalecimento da agricultura, bem como desenvolver um novo modelo de gestão, para incrementar as ações do governo do estado.
 Da Redação Folha

ELEIÇÕES 2014

Hoje participei de um encontro na casa do amigo Floriano, no bairro Lagoa, em Porto Velho. Fomos recebidos com o carinho de sempre pela população do bairro e recebemos uma grande manifestação de confiança. Grande abraço a todos que tem externado apoio a minha candidatura a Deputado Federal e a de meu pai Expedito Júnior ao governo do Estado. (5 fotos)

NÃO DA MAIS PRA SEGURAR, EXPLODE ...

Cada uma que inventam ! Kkkkkk. Pastor Everaldo Solta um Peido em Pleno Jornal Nacional - VÍDEOS ENGRAÇADOS - COMÉDIA - BOMBÁSTICOS!

ELEIÇÕES 2014

O debate na TV Allamanda(SBT) foi um momento para mostrar ao povo de Rondônia como pretendo governar esse estado. Obrigado a todos pelo apoio! #mudarondonia

Foto: O debate na TV Allamanda(SBT) foi um momento para mostrar ao povo de Rondônia como pretendo governar esse estado. Obrigado a todos pelo apoio! #mudarondonia

ELEIÇÕES 2014



Rádio Rolim e TV Jornet realizam debate nesta quinta-feira

Todos os candidatos a governador confirmaram presença em Rolim de MouraBaixe candidatos a governador de Rondônia - sequência para legenda - Confúcio, Expedito, Jaqueline, Padre Tom e Pimenta.jpg (972,2 KB)

Assessoria

A rádio comunitária Rolim FM 104,9 e o site TVJornet.com realizam na próxima quinta-feira (28) o primeiro debate no interior do estado com os candidatos a governador de Rondônia dessas eleições. O evento está marcado para começar às 20h no teatro municipal Francisca Verônica de Carvalho e terá a participação dos cinco postulantes ao cargo.
O radialista e apresentador de TV, Arno Voigt, será o mediador e terá apoio do jornalista Dorli Schimer na condução dos trabalhos. Tudo terá transmissão de forma simultânea através da própria rádio Rolim FM para o município e emissoras parceiras. Já para a TV, também ao vivo, haverá a transmissão através do site www.tvjornet.com para os portais de notícias parceiros.Baixe ARNO.jpg (275,9 KB)
A afiliada local do SBT, canal 08, também fará a retransmissão da íntegra do debate no sábado (30) a partir das 13h. Cada candidato recebeu 40 convites individuais para distribuir a correligionários e simpatizantes. Haverá também espaço reservado à imprensa local e profissionais de outras cidades que estiveram cobrindo o evento.
No total serão cinco blocos. No primeiro, através de sorteio, cada candidato responderá a perguntas formuladas pela organização e terá três minutos para responder. No segundo bloco será a vez dos candidatos responderem perguntas da comunidade. Também por sorteio, cada um responderá uma pergunta e comentará a pergunta de um colega candidato.

No terceiro e no quarto bloco haverá perguntas de candidato para candidato e no quinto será reservado para as considerações finais. Membros da OAB, Acirm e Observatório Social foram convidados para formar a comissão que vai julgar os pedidos orais respostas que porventura surgirem durante o debate. Em frente ao teatro haverá telão para que o grande público possa acompanhar. 

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

25 DE AGOSTO: DIA DO SOLDADO

 


Há coisas na vida que foram feitas para ser sentidas do que explicadas. Por exemplo: ser soldado. Pode-se perguntar: “Que tipo de estímulo o leva a entregar-se aos sacrifícios sem a contrapartida de maior recompensa senão sentir-se realizado com a missão bem cumprida? Ou então: “Que o leva a saltar de paraquedas, escalar montanhas, meter-se na selva e na caatinga, cruzar pantanais, vadear os rios e atravessar os pampas, enfrentar tiroteios, resgatar pessoas, combater incêndios, dar sua própria vida, indo a toda parte que a Pátria lhe ordenar, sem reclamar de nada?”
Impossível responder. Afinal, ser soldado é um estado de espírito.”
 
Frase adaptada do Museu Militar de Porto Alegre

Corrupção é o maior problema em Rondônia, aponta enquete do UOL

 

A corrupção na política é o pior problema enfrentado no Estado de Rondônia. Pelo menos é o que aponta uma pesquisa elaborada pelo Portal UOL, apresentando um índice de 36,36% dos entrevistados na enquete que não tem valor de amostragem científica. Em seguida, aparece a questão da saúde no ranking dos problemas, com 20,2%. Para votar na pesquisa o internauta deve acessar http://noticias.uol.com.br/rondonia

Os últimos escândalos envolvendo políticos rondonienses, com operações policiais, fizeram com que a população criasse uma grande rejeição do atual quadro político do Estado. Por várias vezes, o nome do Estado foi manchado a nível nacional por atos de corrupção de determinados políticos. 

Operações deflagradas pelas Polícias Civil e Federal envolvendo políticos podem ser apontadas como motivadoras para que a enquete aponte a corrupção como o “calcanhar de Aquiles” da política rondoniense. Entre as operações pode ser citada a Termópilas que desarticulou um esquema envolvendo o Legislativo Estadual e o Executivo Estadual.

Para se ter uma ideia da insatisfação da população, a pesquisa do Portal UOL aponta Rondônia como o 6º lugar no ranking nacional de problemas apresentados, com 36,36%, atrás de Maralhão (41,67%), Roraima (40%), Tocantins (39,47%), Amapá (39,44%) e Distrito Federal (36,47%).
Fonte: RONDONIAGORA
Autor: RONDONIAGORA

O início do fim da Cirurgia para o Câncer de Próstata? Parece que não

 

Há alguns meses escrevi uma breve matéria sobre o HIFU e seu potencial em substiruir a cirurgia e radioterapia no tratamento do câncer de próstata. 
O início do fim da cirurgia e da radioterapia para os tumores da próstataInfelizmente o HIFU parece estar mais longe dessa que seria uma grande façanha. 
No final do ano passado, após analisar resultados e submeter os estudos ao FDA e a uma câmara de notáveis para definição dos potenciais beneficios do tratamento, o HIFU foi recusado como terapia eficiente e pouco mórbida para cura de pacientes com câncer de próstata. Na verdade o tratamento não foi aprovado por não ter mostrado benefício em relação a conduta de apenas seguir os doentes e por apresentar complicações pouco aceitaveis na atual evolução do tratamento dessa condição.
Assim, e como as análises do FDA constumam ter muita consistência, o HIFU deverá continuar a margem das terapias consagradas para o temido câncer de próstata localizado.