domingo, 7 de fevereiro de 2016

PEC propõe limitar mandato de ministros do Supremo

 

Na proposta o presidente da República vai escolher um nome dentro de uma listra tríplice, criada por um colegiado composto por sete membros dos poderes judiciários


Jornal GGN - A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 35/2015, que limita o tempo de mandato dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e modifica os critérios para a escolha no cargo está pronta para ser votada na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), aguardando a escolha de um relator.

A PEC, de autoria do senador Lasier Martins (PDT-RS) propõe mandatos de dez anos, enquanto que atualmente os ministros do STF não têm mandato fixo, podendo permanecer até a aposentadoria compulsória aos 75 anos. Outra modificação proposta está nos critérios de escolha. A PEC mantém as exigências atuais para que o candidato tenha mais de 35 anos e menos de 65 anos, com notável saber jurídico e reputação ilibada, porém exige a comprovação de, no mínimo, 15 anos de atividade jurídica.

Atualmente a escolha de um ministro para o STF é determinada pelo presidente da República, que em seguida é submetido a uma sabatina no Congresso. Aprovado pelos parlamentares o candidato é, então, conduzido para o cargo indicado pelo presidente.
Na proposta de Lasier o presidente da República vai escolher um nome dentro de uma listra tríplice, criada por um colegiado composto por sete membros dos poderes judiciários, incluindo o Contas da União (TCU), o procurador-geral da República e o presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)

Trá-trá-trá-trá-trá: Salvador abre 2016 com 117 homicídios

 

Imagem ilustrativa (Foto: Lunaê Parracho /Reuters)
Publicado em 03/02/2016 às 16h50. Atualizado em 04/02/2016 às 16h57.
do Bahia.ba
Mortes violentas em janeiro na capital baiana superam mesmo mês do ano passado; média é de quase quatro por dia
Jaciara Santos
O ano é novo, mas a violência em Salvador, velha conhecida dos soteropolitanos, continua em alta: em janeiro, de acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública da Bahia, foram registrados 117 homicídios na capital. No ano passado, no mesmo período, o total de casos ficou em 116. Ou seja: são quase quatro mortes violentas por dia, números que confirmam o que o governo insiste em refutar: a posição de Salvador no ranking das cidades mais violentas do mundo, como aponta recente levantamento de uma ONG mexicana, publicado dias atrás e execrado pelas autoridades de segurança pública do Estado.

CADE OS DIREITOS HUMANOS?


Luizão participou neste sábado, 06, do programa Pinga Fogo, no SBT.

 

Postada em 06/02/2016 17:12hrs
Fonte: Do Rolnews





Rolim:Na TV, Luizão comenta sobre crítica de Cesar Cassol: 'o caminho não é esse'

Em entrevista na tarde deste sábado,06, ao programa Pinga Fogo, no SBT Rolim de Moura, o Prefeito Luizão do Trento comentou sobre a crítica do ex-prefeito Cesar Cassol, veiculada na sexta-feira, 05. Luizão enfatizou que o caminho não é esse e quem deve tirar a conclusão de toda essa discussão é a população rolimourense. Ainda em seu direito de resposta, algumas afirmações feitas por Cesar, como a compra de uma camionete para o gabinete e a dívida com o Rolim Previ foram explicadas pelo prefeito. Luizão ainda disse que não pagou ninguém para denegrir a imagem de Cesar e falou que pode ter acontecido um erro técnico da contabilidade.

“Eu acho que quem poderia estar aqui falando do município, da crise que estamos enfrentando é o Cesar, vou pontuar duas coisas aqui e quem deve julgar é a população, por que não temos tempo para picuinhas e também não vou pegar pilha, o caminho não é esse. Falaram que eu iria meter a boca em ex-prefeito aqui hoje, e não é nada disso, eu estou aqui para apresentar a realidade do nosso município. Observe o primeiro ponto, em nenhum momento na carta de renúncia do Cesar, que está aqui em minhas mãos, ele disse que sou incompetente. Segundo ponto, aqui está outro documento, em 2013 fui secretário de fazenda de Rolim de Moura, como consta aqui fui o secretário mais competente do estado, porque município que mais aumentou a arrecadação, foi Rolim de Moura. Todos estes dados são da Sefin, Secretaria de Finanças do Estado de Rondônia”, rebate Luizão.

O prefeito também falou da parceria política que tinha com o Cesar na campanha de 2012 e disse que não tem culpa de o projeto não ter dado certo. “Quanto a questão da campanha eleitoral nós fizemos um projeto político e saímos juntos, eu tinha votos e Cesar também tinha, acho que realizamos um projeto que era para ter dado certo. Agora se aconteceu algum acidente de percurso ai não cabe a mim aqui culpar alguém”.

Mais uma situação rebatida por Luizão foi sobre o Rolim Previ, o prefeito admitiu o aumento dos débitos com a instituição durante o período em que ficou a frente da administração municipal. “Sobre a Rolim Previ, quando eu peguei a prefeitura, não foi por seis meses como Cesar havia dito, foram cinco meses. E o município devia mais de R$ 770 mil reais para a Rolim Previ e quando Cesar Cassol assumiu novamente, a dívida era de R$ 956 mil. Assumo que realmente houve esse aumento. Agora isso é certo? não, não é. Mas é a dificuldade financeira pela qual o município passa. Então só para deixar claro aqui que o débito não era de R$ 2 milhões”.

Outra questão que Luizão levantou foi a afirmação do ex-prefeito na qual dizia que a atual administração estava usando meios de comunicação para denegrir sua imagem. “Veja bem, quem está na vida pública acaba sendo alvo, uma hora ou outra, de algum meio de comunicação. Isso já aconteceu comigo, e sempre procurei buscar o meu direto de resposta, e aconselho a ele, sempre quando acontecer isso, que busque o direto dele. Só para esclarecer, eu não tenho site e nem jornal. Eu não mandei denegrir a imagem de ninguém, não uso o nome de ninguém, faço sempre as coisas com muita transparência”.

Luizão esclareceu também sobre a caminhonete comprada para o gabinete durante os seus cinco meses de mandato na prefeitura. “Ano de 2013, usei a minha caminhonete, meu motorista para fazer as atividades da prefeitura. Eu ia praticamente toda semana até Porto Velho. Quando precisava mandar documentos para o Tribunal de Contas, nós íamos até Cacoal com meu veículo, para Ji-Paraná também mesma coisa. E com isso meu carro estava desgastando muito, e em julho de 2014 eu falei para o Cesar, que estava afastado da prefeitura por causa do tratamento de saúde, que não iria andar mais com minha caminhonete para fazer serviço da prefeitura, ela já estava com mais de 100 mil KM rodados, isso não é justo. Aí ele me disse que se tivesse dinheiro em caixa eu poderia comprar um veículo para o gabinete. Todo gabinete tem que ter um veículo, foi o que fizemos”.

Com relação a reprovação de contas de Cesar Cassol, Luizão diz que pode ter ocorrido algum erro técnico e cabe a contabilidade da prefeitura rever a prestação. “O Tribunal de Contas analisa e se reprovou é que pode haver algum erro técnico, isso é contabilidade, é só sentar com a equipe de contas e mandar arrumar e vai lá no TCE e faz a prestação novamente”.

Na conclusão, reforçou novamente que não vai se estressar com picuinhas política e que não se mostra chateado com Cesar Cassol. “Eu quero que Deus abençoe o Cesar, que possa guiar seus passos e que as coisas funcionem para ele, eu acho que o caminho é esse. E nós vamos seguir o nosso, não vou abandonar a administração, vou levar este mandato até o dia 31 de dezembro”, finaliza Luizão.

Pastor é suspeito de ter matado taxista de 69 anos “por encomenda” em Cacoal

 

Servidor municipal em ministro Andreazza lidera igreja


A Polícia Civil da cidade de Cacoal identificou um dos suspeitos de ter envolvimento no assassinato de um taxista de 69 anos, cometido no dia 5 de janeiro, na área rural do município.

O homem foi morto com dois tiros na cabeça. De acordo com o delegado regional, Arismar Araújo (FOTO), o suspeito que está foragido da justiça se chama Cláudio Severino da Silva, também conhecido como Cal. Ele trabalha como motorista no Conselho Tutelar da Prefeitura do município de Ministro Andreazza, é pastor de uma igreja evangélica e não tinha passagem pela Polícia. As investigações, conforme os policiais, estão apontando que o crime foi encomendado.

O delegado contou ainda que não pode revelar os motivos do assassinato para não atrapalhar o trabalho que está sendo feito para se chegar aos acusados e as motivações. O policial informou que no dia do crime, Cal atraiu o taxista através de uma ligação de orelhão, solicitando os serviços do taxista. Quando já estavam longe da cidade ele, possivelmente, executou a vítima ainda dentro do veículo, sentado no banco do passageiro.

“Nós pegamos imagens de uma câmera de segurança da mercearia onde Cal comprou o cartão de orelhão para ligar para o taxista; após uma busca e apreensão realizada na residência do suspeito também encontramos a mesma camiseta utilizada por Cal no momento da ligação", contou Arismar, destacando que a camiseta estava com algumas manchas. A peça foi encaminhada para exames para verificar a presença de sangue humano e resquícios de pólvora.

O suspeito chegou a prestar depoimento à polícia e negou seu envolvimento no crime, apresentando um álibi que, após ser verificado pela polícia não foi confirmado. No dia seguinte ao depoimento, a Justiça decretou um mandado de prisão contra Cláudio, mas quando os policiais foram executar descobriram que o homem havia fugido com a família e toda a mudança da casa.

A polícia pede para que as pessoas que souberem do paradeiro de Cal, denunciem através do telefone 197 ou 190.



Fonte: Magda Oliveira 
Autor: G1

CARNAVAL 2016

A modelo Ju Isen, destaque da Unidos do Peruche no Carnaval 2016 de São Paulo, foi expulsa da avenida por despir parte de sua fantasia, em protesto após ser impedida pela escola de usar um tapa-sexo com a imagem da presidente Dilma Rousseff. A agremiação a obrigou a sair vestida com um comportado macacão cor da pele pelo Anhembi.
Em imagens exibidas pela TV Globo, a modelo apareceu se despindo do macacão em pleno desfile, jogando parte da fantasia no chão e deixando os seios à mostra. Na sequência, foi rapidamente retirada da avenida pelo presidente da Liga das Escolas de Samba, Paulo Sergio Ferreira, o Serginho.
O presidente da agremiação, Sidney de Moraes, o Ney, contou ao UOL que Isen --considerada musa das recentes manifestações contra o governo federal-- já havia dado problema durante os ensaios técnicos e que a escola pretende processá-la. "Ela não poderia ter desfilado nua. Foi convidada, mas assinou contrato com determinados termos a serem seguidos. Isso acaba denegrindo a imagem do Carnaval."
Após sair do desfile, Isen contou ao UOL que foi agredida por integrantes da escola. "Me jogaram no chão. Estou toda sangrando no pé. A mulher me deu um pescoção, um empurrão, me pisotearam, me chutaram, entendeu? Não sei se vou na delegacia, vou ver com a minha assessoria o que é melhor para fazer porque não vou ser agredida assim".
Gisele Alquas/UOL
Detalhe do tapa-sexo com imagem da presidente Dilma Rousseff
Ao saber que a escola pretende processá-la, Isen disse que fará o mesmo. "Vai me processar de quê? Carnaval é nudez, Carnaval é sensualidade. Existe algum contrato aonde eu digo para o presidente da escola de samba? Muito pelo contrário, a minha roupa nem seria essa. Enfim, ele vai me processar, eu também vou processar. Direitos humanos, direito da mulher, tem a lei aí, a Maria da Penha, eu fui agredida. Tenho provas."
Já Serginho alertou que a escola pode perder pontos nos quesitos fantasia e evolução. O episódio com Isen aconteceu em frente ao módulo onde ficam os jurados que julgam harmonia e alegoria.
Em entrevista ao UOL minutos antes do desfile, Isen contou porque queria usar o tapa-sexo. "A minha fantasia é a repudia que todos nós brasileiros temos pela presidente da República, por toda a corrupção, falta de segurança, falta de escola, falta de hospitais. Eu vim realmente para manifestar".
Primeira escola do sábado
Primeira agremiação a entrar na avenida neste sábado (6) de Carnaval, a Unidos do Peruche, escola da zona norte de São Paulo, desfilou o enredo "Ponha um Pouco de Amor numa Cadência e Vai Ver que Ninguém no Mundo Vence a Beleza que Tem o Samba. Cem Anos de Samba, Minha Vida, Minha Raiz". 

Veja também

ALINE RISCADO

Aline Riscado (Foto: Leo Franco / AgNews)Aline Riscado na avenidaFotos-Aline-Riscado-bailarina-do-Faustao-peladinha-na-Playboy-19Aline Riscado na Playboy

SERVIDOR PÚBLICO PODE CONVERTER LICENÇA-PRÊMIO NÃO GOZADA EM PECÚNIA.

 

Do: Blog Política Distrital

Por unanimidade, a 2ª Turma do TRF da 1ª Região reconheceu que o servidor público possui direito a converter em pecúnia o período de licença-prêmio adquirido e não gozado ou não utilizado para contagem em dobro para fins de aposentadoria, desde que o beneficiário não esteja no exercício de suas atividades funcionais. Na decisão, a Corte rejeitou as alegações da União, ora recorrente, sobre a impossibilidade de conversão da licença em pecúnia.

Ao analisar o caso, o relator, juiz federal convocado Cleberson José Rocha, rejeitou a preliminar aduzida pela União de ausência de documentos indispensáveis à propositura da ação, pois, tratando-se de hipótese de substituição, a apresentação dos documentos comprobatórios de existência do direito pleiteado somente será necessária na fase de liquidação da sentença, quando os substituídos se habilitarem para execução da ação coletiva.

“O Plenário do Supremo Tribunal Federal, em sede de repercussão geral, nos autos do Recurso Extraordinário nº 573232/SC, de relatoria do Ministro Marco Aurélio, definiu que a associação, na defesa de direito de seus filiados, como representante processual, deverá apresentar autorização expressa dos associados. Para tanto, é permitida a autorização específica dada pela Assembleia Geral, vedada, contudo, a autorização genérica”, citou o desembargador em seu voto.

No mérito, o magistrado ressaltou ser assente na jurisprudência “que o servidor possui direito a converter em pecúnia o período de licença-prêmio adquirido e não gozado ou não utilizado para contagem em dobro do tempo para fins de aposentadoria, desde que o beneficiário não esteja no exercício de suas atividades funcionais”.

Ainda de acordo com o relator, “a contagem da licença-prêmio para a aposentadoria deve ocorrer somente quando influenciar na concessão ou no cálculo do benefício, podendo ser convertida em pecúnia no caso contrário, ainda que virtualmente seja considerada tempo de serviço”.

O magistrado finalizou seu voto destacando que o pagamento de licença-prêmio não gozada por necessidade de serviço não está sujeito ao imposto de renda.


Processo nº: 0063687-53.2009.4.01.3400/DF
Data do julgamento: 28/10/2015
Data de publicação: 20/11/2015

VAI VAI CAIU

  ja_sit_mentiin_3

Jesus te ama! Amém eu creio! Eu sei que o meu Salvador vive!

FLAGRA DO CARNAVAL 2016

Jéssica Guimarães (Foto: Edu Graboski / Lipe Aramuni / Divulgação)As bundas mais gostosas do carnavalGr Mulher Melão nua mostrando a bunda e peitos Carnaval 2016Gracyanne Barbosa (Foto: Celso Tavares / EGO)

sábado, 6 de fevereiro de 2016

NO CARNAVAL TEM DISSO

PIADAS DE CARNAVAL:

Dois amigos se encontram: - Você sabia que o Arnaldo está hospitalizado? - comenta um deles - O cara tá mal, parece que nem dá pra reconhecer direito... - Não pode ser! - disse o outro, aflito - Ainda ontem eu vi o Arnaldo num baile de carnaval, dançando com uma loira deliciosa! - Pois é, a mulher dele também viu!

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
No baile de carnaval, o sujeito conta vantagem com o amigo: - Cara, eu já peguei todas as mulheres que estão nesse baile! Tirando as minhas duas irmãs, claro! - Que legal! - comenta o amigo - Comigo a exatamente o oposto! - O oposto? Como assim? - Até agora eu só consegui pegar as suas irmãs!

Leia mais: http://muraldagargalhada.webnode.com.br/piadas/piadas-de-carnaval/

GRINGO ADORA O BRASIL

CARNAVAL 2016

Natalia Casassola (Foto: Marcos Ferreira /Brazil News)

Natalia Casassola NA AVENIDA

1

Natalia Casassola NA PLAYBOY

Só uma vacina

  

A zika já chegou a 33 países de três continentes, mas a situação dos países desenvolvidos deve ficar ainda mais dramática nos próximos meses, com a chegada do verão.
Em entrevista à Época, Peter Hotez contou que os americanos precisarão dobrar a vigilância sanitária. O pediatra especialista em doenças tropicais lembra que, nos Estados Unidos, há dois mosquitos capazes de transmitir o zika: o Aedes aegypti e o Aedes albopictus
O mundo só conseguirá se livrar da zika com uma vacina eficiente. Mas, de acordo com Peter Hotez, por haver apenas uma variação da doença, o medicamento não será tão complexo quanto o necessário para evitar a dengue.
Na visão do especialista em doenças tropicais, cabe aos governos buscarem a solução, já que vacina é um produto economicamente inviável para a indústria farmacêutica. E seria obrigação do governo brasileiro liberar os recursos necessários para as pesquisas.
É melhor o mundo não esperar o governo Dilma.

Entregar veículo a não habilitados, mesmo quando não há acidente, é crime

Ao julgar nova reclamação do MP/RS, o ministro Nefi Cordeiro manteve entendimento do tribunal que considera crime entregar veículo a motorista não habilitado, mesmo quando não há ocorrência de acidente, conforme prevê o CTB.
Pelo menos sete reclamações do MP/RS contra decisão do Juizado Especial Criminal gaúcho, que absolveu acusados desse tipo de infração, foram analisadas por ministros do STJ nos últimos meses. Em todas elas, o STJ concedeu liminar ao pedido do MP/RS e manteve a condenação dos réus.
Na causa, o Ministério Público recorreu ao STJ depois que o Juizado Especial Criminal gaúcho absolveu um acusado que permitiu a condução de seu veículo por motorista sem habilitação. Na reclamação, o parquet salientou que a decisão descumpria um entendimento já firmado pelo STJ ao julgar, em março de 2015, uma causa semelhante de Minas Gerais e que passou a valer para todo o Brasil, constante no REsp 1.485.830. 
Na época, o STJ entendeu que, para a prática do crime previsto no artigo 310 do CTB, não é exigível “a ocorrência de lesão ou de perigo de dano concreto na conduta de quem permite, confia ou entrega a direção de veículo automotor a pessoa não habilitada, com habilitação cassada ou com direito de dirigir suspenso, ou ainda a quem, por seu estado de saúde física ou mental, ou por embriaguez, não esteja em condições de conduzi-lo com segurança”.
A decisão do ministro Nefi Cordeiro será submetida ao colegiado para apreciação dos ministros da 3ª seção.
  • Processo relacionado: Rcl 28.772

Três Horas de Petrópolis"

 

 

Acreditem se quiser. Nos anos 60, a bucolica e historica Cidade Imperial era palco de corridas de rua. Multidões - sem nenhuma segurança - acompanhavam pelas calcadas. O piloto José Carlos Pace participava. A irresponsabilidade acabou na corrida "Três Horas de Petrópolis" em 21 de julho de 1968. Dois pilotos morreram nesta prova. Um deles, Sérgio Cardoso, dá o nome à rua onde minha sogra mora. Na imagens abaixo, dá pra ter uma ideia daquela loucura.

Eduardo Galeano - Carnaval

SITUAÇÃO DIFÍCIL

lula_carnaval

O tempo

 

Mário Quintana
'A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando se vê, já é sexta-feira...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê, perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê, já passaram-se 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado.

Se me fosse dado, um dia, outra oportunidade,
eu nem olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente e iria jogando, pelo caminho,
a casca dourada e inútil das horas.

Desta forma, eu digo:
Não deixe de fazer algo que gosta devido à falta de tempo,
a única falta que terá,
será desse tempo que infelizmente não voltará mais.'

TÃO QUERENDO QUE FALE ...

bem assim:

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Euclides Nocko: foto de Tania Regina Lira Nocko.


Euclides Nocko preparando um peixinho para o almoço .

Novo dono da Playboy sobre Luana Piovani na capa: 'Sonho realizado'

 

André Sanseverino comemora a escolha da atriz na capa da primeira edição do projeto. 'Encarnou o espírito da nova Playboy'.

Marília NevesDo EGO, em São Paulo
André Sanseverino e Luana Piovani  (Foto: Manuela Scarpa/Brazil News)André Sanseverino e Luana Piovani
(Foto: Manuela Scarpa/Brazil News)
André Sanseverino, publisher da nova “Playboy”, só tem a comemorar. Nesta quinta-feira, 04, quando Luana Piovani foi anunciada como a primeira capa da nova fase da revista, ele  revelou que estava realizando um sonho. “Eu tinha dois sonhos. Um, era comprar a Playboy. Outro, era ter a Luana na capa. Então estou 100% realizado”, afirmou o Publisher ao EGO.
André contou que convencer Luana foi tarefa fácil e que o contato com ela foi feito por amigos em comum. “Luana foi a primeira que fiz o convite e ela encarnou o espírito da nova Playboy. Então estamos muito felizes”, contou ele, desmentindo que tenha buscado outras possíveis capas antes da atriz.
Para André, o fato de ter Luana logo na estreia da publicação, vai abrir portas para trazer grandes celebridades para as páginas da revista. O que vai agradá-lo, também, como grande fã que é da Playboy. “Com certeza. Antes de ser dono, sou fã da Playboy e a Luana estava na lista de top5 de mais pedidas”.
Outro nome que está sempre nesta lista de favoritas para a capa da revista é Fernanda Lima. “A Fernanda é indiscutível, uma mulher maravilhosa. Seria um prazer tê-la na capa”, afirma ele, que ainda não tem um nome certo para a próxima edição. “Por enquanto, estou querendo curtir esse sonho”.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

O SINISTRO DA SAÚDE

 FRANCISCO BALESTRIN
Desordem, agonia, desalento. Um estado de calamidade pode ativar as mais extremas e subversivas condições humanas. No Brasil, todas elas definem o quadro da assistência e a realidade de milhões de usuários do sistema.

Esse é o sinistro da Saúde. O produto final da importância que as atuais lideranças políticas atribuem ao setor: ou seja, nenhuma. Há pelo menos duas décadas, os cargos públicos da área são utilizados como trampolim e malabarismo de interesses políticos, o que transforma a Saúde em um picadeiro de pessoas incapacitadas ou ideologicamente comprometidas. Só que não há graça alguma nesse espetáculo de mau gosto.

Vivemos os efeitos de anos de banalidades, decisões equivocadas e discursos esquecidos imediatamente após a conquista de uma eleição. E, como não existe uma política nacional de Saúde, tampouco a sustentabilidade de medidas implementadas com êxito em administrações passadas, instala-se o retrato do absurdo. Uns chamam também de visão do inferno: vemos, por exemplo, a epidemia de doenças infectocontagiosas, que há muito tempo deveriam estar controladas, e o deplorável estado da saúde pública do Rio de Janeiro, provocado pelo desequilíbrio das finanças do estado e a má gestão dos recursos.

Não é apenas por ter o segundo maior orçamento da União que a Saúde se tornou uma vitrine para gente sem propósitos. Trata-se também de poder, influência e alcance. A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), um dos braços do Ministério da Saúde, regulamenta os cuidados a 50 milhões de cidadãos, enquanto a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), outro alicerce do Ministério, controla tudo o que nos trata, veste, alimenta e sustenta. Isso significa que todo brasileiro, em algum momento da vida, terá contato e será impactado pelo que é feito lá em cima.

Em um momento de dificuldade tão grande como este, em que o desemprego se alastra por todo o País, a qualidade da assistência deveria estar no centro das políticas protetoras da população. No entanto, da perspectiva daqueles que se apressam e se corrompem para proteger a si mesmos, a saúde, apesar de vital, não lhes serve nem ao menos como ferramenta para manutenção do poder.

Hoje, a política adotada em nosso país é a do pão e circo, a mesma utilizada pelos antigos romanos para tapar os olhos da população em relação às mazelas e à pobreza a que eram submetidos.

O fato é que a sociedade brasileira ainda não aprendeu a enxergar saúde como um bem coletivo. Quem sofre somos você, eu e, no máximo, as pessoas que se importam conosco. Do mesmo jeito, o investimento na área retorna individualmente, em forma de qualidade de vida, dignidade e capacidade produtiva exclusivas de cada indivíduo.

Contraditório, não? E, de nossas contradições, se alimentam as lideranças políticas.

Em um comentário recente para a rádio CBN, o jornalista Kennedy Allencar, ao opinar sobre os desastrosos rumos do Ministério da Saúde e do controle das epidemias da dengue e do zika vírus, disse: “Essas doenças são assuntos sérios demais para fingir que dá para ir empurrando esse problema com a barriga”.

Não dá para empurrar um sinistro da Saúde com a barriga.

(O Ministério da Saúde adverte: não confunda ministro com sinistro da saúde.)

Francisco Balestrin é presidente do Conselho de Administração da Anahp (Associação Nacional de Hospitais Privados)