domingo, 20 de abril de 2014

8º FESTÃO DA LINHA 188 NORTE

 

Ética – Corruptos na cadeia: ideal ainda distante

Está no Correio Braziliense
Apesar de ter aumentado em 40% no período de um ano, o número de presos acusados de corrupção ativa e passiva, eles representam apenas 0,1% da população carcerária. O Conselho Nacional de Justiça faz campanha para acelerar a tramitação de ações penais nos tribunais.
Anões do Orçamento, mensalão, lava-jato, sanguessuga, máfia dos carteis, entre tantos escândalos de desvio do dinheiro público para bolsos privados, fazem parte da história política recente do Brasil. Tão enraizada quanto a prática desse tipo de delito no país, a impunidade dos autores começa, ainda que timidamente, a cair. O número de presos por corrupção ativa e passiva, que se mantinha estável, subiu 40% no período de um ano, segundo dados do Departamento Penitenciário Nacional (Depen). Passou de 697, em junho de 2012, para 977 detentos, em junho de 2013 — base oficial mais recente. Em termos absolutos, entretanto, os menos de mil presos em todo o sistema penitenciário brasileiro representam apenas 0,1% da população prisional atual.
Para especialistas, o aumento no número de condenações por corrupção tem duas explicações. A mais objetiva delas é a cobrança permanente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para que os tribunais agilizem ações penais relacionadas a crimes contra a administração pública, entre eles a corrupção. O outro motivo seria a própria percepção da sociedade. “A gravidade desse tipo de delito se tornou mais visível. E isso leva a pressões. A decisão do CNJ de estipular meta para o julgamento desses processos, especificamente, deve ser entendida como uma resposta do Poder Judiciário, já que o tema se tornou sensível para a população”, explica o juiz Marlon Reis, um dos fundadores do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE).
Na força-tarefa empreendida pelo CNJ, a meta era zerar, no final de 2013, o estoque de 3.990 ações penais de crimes contra a administração pública iniciadas até 2011. Magistrados de todas as instâncias — exceto os do Supremo Tribunal Federal, que não se submetem à regra — conseguiram dar sentença em 90,5% do total de casos. Não há dados sobre a quantidade de processos, iniciados de 2012 em diante, atualmente por julgar. De qualquer forma, o CNJ continua exigindo celeridade das comarcas. “Antes da meta, os juízes eram cobrados por números gerais. E como esses processos são mais complexos tecnicamente, eles acabavam se acumulando. Dava-se prioridade para outros”, explica Marlon.

COLUNA DO ANCELMO GOIS

 
Apesar de uns ganhos importantes, ainda assim a empregada doméstica “continua tendo a pior remuneração do mercado de trabalho metropolitano nacional”, segundo Hildete Pereira de Melo, economista da UFF que estuda o tema. 
Diz ela que a recente pesquisa de emprego nas regiões metropolitanas, do IBGE, mostra que o trabalhador doméstico, em março passado, continuava recebendo cerca de 42,5% da média da população ocupada. 

MATOU 65 BANDIDOS - HELINHO JUSTICEIRO


PARA LER É SÓ CLICAR

Ex-presidente da PetrobrasGabrielli cobra Dilma sobre Pasadena e diz que ataque da oposição tem interesse.

COLUNA DO Augusto Nunes

ENTENDEU

MORREU MARIA PREÁ


Mário de Sá-Carneiro

Aquele outro -  

O dúbio mascarado, o mentiroso
Afinal, que passou na vida incógnito;
O Rei-lua postiço, o falso atónito;
Bem no fundo, o cobarde rigoroso...
Em vez de Pajem, bobo presunçoso.
Sua alma de neve, asco dum vómito...
Seu ânimo, cantado como indómito,
Um lacaio invertido e pressuroso...
O sem nervos nem ânsia, o papa-açorda...
(Seu coração talvez movido a corda...)
Apesar de seus berros ao Ideal.
O corrido, o raimoso, o desleal,
O balofo arrotando Império astral,
O mago sem condão, o Esfinge gorda...

Mário de Sá-Carneiro (Lisboa, 19 de maio de 1890 - Paris, 26 de abril de 1916) - Foi um poeta português. Foi um dos principais poetas pertencentes ao modernismo português, a chamada Geração D'Orhpeu. Começou a escrever muito cedo quando já mostrava um gênio impressionante. Foi para Coimbra estudar aos quinze anos e lá conheceu a figura mais importante na sua curta carreira literária, Fernando Pessoa. Com ele manteve intensa correspondência, enviando poemas e tratando de questões pessoais, muitas vezes, de uma forte angústia que o tomava, que, mais tarde, o levou a suicidar-se em um hotel em Paris. Mário de Sá-Carneiro, um grande poeta português.

Gaby Fontenelle pelada na Playboy de Abril 2014

Gaby Fontenelle pelada nua na Playboy de Abril 2014

PARA LER É SÓ CLICAR

sábado, 19 de abril de 2014

DENGUE

Você viu?

Morre o narrador Luciano do Valle

Luciano do Valle morreu neste sábado, aos 70 anos Foto: Divulgação Ele passou mal no avião que o levava para Uberlândia, e chegou a ser internado em um hospital da cidade

 

Revista Época »

'Cubanos estão cansados', diz Leonardo Padura (AFP)
ENTREVISTA
'Cubanos estão cansados', diz Leonardo Padura
Escritor fala da amizade brasileira com o país. 

Expedito Junior 17 de abril

 
Muito feliz! Deus está ouvindo as nossas preces! .... Meu amigo Paulo está se recuperando! Com muita fé e força, está mostrando que é um guerreiro. Nós estamos torcendo para que ele fique bom logo e tenhamos de volta aquele cara brincalhão e sempre bem humorado que todos nós conhecemos. Sempre tem uma piada para tudo. Força meu irmão camarada!

POR - VITOR ALIVEIRA

Vereadores estão indignados com queima de lixo no Hospital MunicipalExiba Vereador Gerson Bastos.jpg na apresentação de slides

 Nessa quinta feira, os vereadores Gerson Bastos – SDD e Rivanildo Riva – PTC, falou de suas indignações quanto um fato que está ocorrendo no Hospital Municipal que, segundo os vereadores, é um desrespeito com a população do Bairro Planalto, além de uma questão de saúde.Exiba Vereador Rivanildo Riva.jpg na apresentação de slides
  Informações repassadas aos vereadores dão conta de que o município está queimando o lixo hospitalar no pátio do próprio hospital, cuja fumaça além de tóxica, pode ser prejudicial à saúde da população, haja vista, que todo material incinerado são restos de materiais usados em internados e pessoas acometidas de algum mal, o que traz maior preocupação aos parlamentares.
  Ainda conforme descreve os vereadores, existe a informação que estão trazendo lixo hospitalar da cidade de Santa Luzia para ser incinerado juntamente com o lixo produzido no Hospital Municipal de Rolim de Moura, dentro do pátio do hospital, transferindo a responsabilidade de municípios vizinhos para Rolim de Moura, além da prevenção que deveria ser uma preocupação da Secretária de Saúde e do gestor municipal.

  “Já existem pessoas do bairro nos procurando para reclamar da situação preocupada com propagação da fumaça, bem como, preocupados com a questão de saúde daqueles que moram nas proximidades do Hospital Municipal, pois acabam por inalar essa fumaça”. Disse os vereadores, acrescentando ainda que uma abelhinha passou pelos lados do legislativo informando que existe a possibilidade do município de Alto Alegre dos Parecis usar do mesmo expediente, enviando seu lixo hospitalar para Rolim de Moura. 

García Márquez, criador de personagens míticos

 

El País
A obra de Gabriel García Márquez é uma mistura de cosmogonia, genealogia e mitologia: inventa um mundo de dimensões bíblicas e o povoa de seres que, conforme o mandato divino, crescem e se multiplicam.
Apesar de metabolizar os experimentos narrativos da modernidade até torná-los parte da sua corrente sanguínea, o escritor colombiano nunca abandonou esse tom de narrador oral que disse ter aprendido da sua avó.
Assim, seus romances e contos são habitados por personagens que, como saídos das mãos de um deus, parecem ter vida própria. Alguns já são parte desse universo de inconfundíveis seres imaginários que é a literatura universal.

É na base da privatização do lucro e socialização do prejuízo...

 

“Evento privado”

Patriota mexe na equipe
Itamaraty: sem pedidos de ingressos
Itamaraty enviou uma nota às embaixadas sediadas em Brasília onde informou que a Copa do Mundo é um “evento privado”.
Ou seja, o governo enfatiza que o pedido de convites e ingressos para os jogos para os chefes de Estado, ministros, embaixadores e diplomatas deverá ser feito junto às federações nacionais de futebol ou diretamente à Fifa.
Beleza, é um “evento privado”, mas no qual o poder público gastou bilhões de reais…
Por Lauro Jardim

JESUS A ALEGRIA DOS HOMENS


Convergência de interesses por trás da violência

EDITORIAL
Publicado:

 

  • Autoridades precisam investigar em profundidade o pano de fundo das invasões de propriedades e ataques orquestrados à política de pacificação

Problemas fundiários e déficits habitacionais são temas sempre presentes na agenda de contenciosos do poder público do país. Da mesma forma, a violência decorrente da criminalidade. Rio de Janeiro e São Paulo, os dois estados mais fortes, vivem às voltas com estes problemas, enfrentando surtos de invasões de terrenos e prédios, públicos ou privados, e ataques contra agentes de segurança. Mas são ações que se estendem também, em maior ou menor escala, a outras regiões. Táticas e métodos semelhantes nesses episódios sugerem um pano de fundo que os tornam ainda mais preocupantes — uma espécie de convergência de interesses por trás da violência, fomentada nas sombras, um fio que as autoridades precisam puxar.
O Rio, particularmente, foi alvo, nas últimas semanas, de investidas quase simultâneas nessas duas frentes. Os ataques contra agentes de UPPs e as próprias unidades policiais, e, na semana passada, a invasão de um terreno da Oi, na Zona Norte, que se desdobrou em graves distúrbios, não são episódios estanques do ponto de vista de suas implicações.
São ações organizadas em pré-período eleitoral e, no caso das UPPs, com visível interesse de desgastar o bem-sucedido programa de pacificação de favelas tradicionalmente conflagradas.
É nítido que se desenvolve no país uma “indústria” da invasão, na deliberada intenção de, em cada episódio, criar fatos consumados, emparedar governos ou simplesmente estabelecer a baderna, com o objetivo de gerar dividendos políticos ou pecuniários. Também há, por trás dos ataques a agentes policiais, as digitais desse mesmo pano de fundo. Tanto quanto dar respostas firmes a cada incidente, o poder público precisa investigar a patente possibilidade de agentes desses surtos de ilegalidade — o crime organizado, políticos mal-intencionados e aproveitadores em geral — conduzirem seus atos por uma comunhão de objetivos.
São fortes as evidências de que tais ações obedecem a comandos que operam à margem da lei, sejam eles formados por traficantes/milicianos interessados em pôr a população contra a polícia, integrantes de máfias que lucram com ocupações ou maus políticos que, a pretexto de fazer oposição, agem inspirados pelo lema do “quanto pior, melhor”. A existência desses grupos que operam organizadamente à margem da lei é inquietante.
Mas se eles atuam, mesmo que apenas em tácito condomínio de interesses, a questão ganha uma dimensão que reclama, das autoridades, em todo o país, reações inequívocas de defesa do estado de direito. No caso, com iniciativas não só dos governos regionais, mas com a participação efetiva também da União por seus organismos de resguardo dos cidadãos.
O Estado, que tem o dever de zelar pela segurança pública, não pode se manter leniente diante dessas agressões orquestradas.